Cortinas

By 29 de agosto de 2012Decoração, Destaques, Dicas
     Quantos detalhes precisam ser pensados quando falamos em cortina?

Comprimento, a altura da barra, tipo de prega, espaçamento entre as pregas, se será colocada em varão ou trilho suíço, haverá necessidade de forro ou blackout, tipos de tecido, cores…são alguns deles…

Pensando nisso, mostrarei resumidamente, de forma prática todos os detalhes para que essa tarefa se torne muito mais fácil!

      Como escolher entre trilho e varão?

Para aqueles que buscam um ar sofisticado e elegante, apostar no trilho suíço será certeiro. Além de permitir uma maior variedade de pregas no tecido e volume de “ondas”, deixará um aspecto mais charmoso ao ambiente e uma cortina mais rica. Sua utilização também é indicada para espaços que possuam cortineiro (detalhe feito em gesso acartonado durante a obra – veja foto abaixo), pois este ficará escondido (embutido), disfarçando o aspecto grosseiro do trilho, dando maior foco as pregas e tecido escolhido.

Ainda poderemos optar por trilhos simples, duplos ou triplos, dependendo da quantidade de camadas escolhidas para cada janela, ou seja:

Trilho triplo :   Blackout *+ Cortina* + Xale*

Trilho duplo: Blackout*+ Xale*

Trilho Simples: Voil ou Xale*

*Blackout é um nomeado o tecido de forro adequado para maior bloqueio da luminosidade. Sempre indicado para locais que necessitam de uma maior proteção da entrada de luz natural – home (salas de estar com tv) e quartos, como também a proteção de tecidos mais delicados, como por exemplo, a seda, pois ao logo da intensa incidência solar, o tecido pode vir a amarelar e/ou desbotar. 

Cortina elemento principal de composição. Quando optado o trilho, ondas volumosas e uma cortina mais cheia “rica” ficará elegante. Dependendo do tecido escolhido, caso seja uma composição sintética leve, seda, podemos nomeá-la como voil.


Cortineiro disfarça aparência do trilho suíço para adaptar cortina tipo voil com pregas deitadas – Foto do autor tirada durante mostra Black SP 2012.

Cortina tipo voil em tecido sintético, apenas com franzido cheio e forro blackout em algodão – Foto do Autor, reforma do apartamento em Higienópolis.

Xale elemento decorativo geralmente fixo nas extremidades do trilho ou varão. Quando optado este tipo de detalhe, seu tecido será um tom mais fechado (escuro) em comparação a cortina. 


Cortina e xale em tecidos mais fechados e claros. Apartamento em Higienópolis decorado pelo Arquiteto Toninho Noronha – foto retirada do site Toninho Noronha.

Os suportes chamados varão, são práticos e aparente. Fixos a uma altura aproximada de 20 cm a 30 cm a cima do final da janela (acabamento da esquadria) permite que a cortina seja manuseada e sua manutenção seja de fácil acesso. Geralmente seus acabamentos com ilhoses ou alças passantes são indicados para modelos pouco utilizados ou movimentados, pois podem emperrar, não tendo um bom funcionamento ou desempenho comparando-os ao trilho suíço.

Casa no bairro do Morumbi, decorado pelo Arquiteto Toninho Noronha. Optou pelo sistema de fixação da cortina em varão, com pregas em argolas. – Foto retirada do site Toninho Noronha.

 

Com varão e fixação da cortina com argolas, o arquiteto João Armentano utilizou de um perfil retangular de espessura fina e altura media, e argolas também em perfil retangular para diferenciar. Observe também que o varão foi fixado diretamente na laje (teto), fugindo do padrão, pois os varões tradicionais são fixados na alvenaria (parede) – Foto do autor retirada durante a mostra Black SP 2012.

Como no trilho suíço, para o varão vale a mesma especificação, pois no mercado encontraremos varões simples, duplos e triplos, dependendo do resultado esperado.

     Tipos de pregas…

As pregas são tradicionalmente suspensas por ganchos em trilhos metálicos, como também presos em argolas, postas em varões de uma forma mais moderna.

Para utilização em trilho as mais indicadas são:

Para varão opte por:

Todas as pregas, tanto postas em varão quanto em trilho tipo suíço, poderão ser distanciadas a gosto do cliente.

* As imagens acima foram retiradas dos sites Assim eu gosto Donatelli Tecidos.

     Qual é a altura correta de uma cortina?

Pense que além de decorativa, uma cortina deve estar sempre bem apresentada.  Seu caimento estará adequado quando deixarmos 1 cm a 0.5 cm de distância entre o piso e seu inicio (podendo variar de gosto para gosto). Dê preferência a cortinas com maior comprimento, ou seja, cortinas que não sejam interrompidas ao final da esquadria de média altura, encontrada na maioria dos apartamentos ou casas. Cortinas longas terão um resultado mais elegante e seu volume de tecido ficará proporcionado distribuído pela funcionalidade de uma barra bem elaborada*.

* Para escolha da altura da barra da cortina, lembre-se que quanto maior e mais camadas tiver mais pesadas sua extremidade inferior ficará, ou seja, mais peso a barra terá para caimento e distribuição do volume de tecido!

Para não cair no exagero, sempre opte pela barra dupla (considerando um tecido leve) e com altura de 20 a 25 cm, sempre observando a dimensão total da cortina. (Fique atento a altura do pé direito do local, pois quando trabalhamos com uma altura padrão – aproximadamente 2.60 m, utilizamos esta dimensão de barra. Caso esteja em um ambiente com pé direito duplo, mais de 4.00 m de altura, opte por uma barra maior e com mais camadas). Lembre-se que estas dimensões deverão estar de acordo com cada ambiente / local,  pensando também na  proporcionalidade.

     Quais tecido usar para o blackout, cortina, xale e/ou voil?

Considerando as cores, texturas e formatos os tecidos estão ligados as condições apresentadas no ambiente, principalmente as questões de incidência solar e quantidade de luminosidade natural, conforme especificação de cada tipo de cortina utilizada.

  Blackout

Opte por tecido com malha mais fechada, por exemplo, algodão, sarja, tecidos em geral mais pesados. Hoje existem diversas possibilidades.

  Cortina e Voil

Opte por tecidos leves e mais transparentes, além de serem de fácil manuseio, sua manutenção será mais barata. Logicamente que escolhendo tecidos sintéticos, o custo total dessa cortina ficará mais em conta, comprando com os tecidos nobres e puros, como por exemplo, chiffon, organdi e  seda, porém tecido naturais terão caimento e toque incomparável.

  Xale

Tecido posicionado nas extremidades do trilho duplo ou triplo, para acabamento decorativo. Geralmente será um tecido sem movimentação, ou seja, não deslizará pelo trilho, será fixo. Os melhores tecidos poderão ser de acordo com o resto do ambiente, como textura e estilo optado.

 

Mas não se esqueça de que todos os detalhes abordados precisam ser “combinados” com o estilo do espaço.

Mas não rotule que um ambiente de estilo clássico, por exemplo, necessariamente precisará de tecidos para a cortina e/ou xale  em seda e varão dourado com ornamentos. Existem diversas combinações e possibilidades como vocês puderam observar.

Use e abuse da flexibilidade e criatividade dos diversos sistemas de suporte, tecido e acessórios que este elemento possa oferecer!

 Veja algumas referências encontradas para todos os gostos…

Decorado pelo Designer Rosembaum, a residência localizada no Ibirapuera, ficou mais charmosa com cortinas fixas no varão, com sistema de – Foto retirada do site Rosembaum.

Cortina levemente translucida em tecido dourado, fixada por ilhoses em varão fino também dourado – Foto retirada do site Rosembaum.

Cortina em trilho suíço embutido no cortineiro – Foto retirada do livro “Entre Sem Bater – Marcelo Rosenbaum”.

Apartamento nos jardins decorado por Rosembaum. O design escolheu uma cortina para pé direito duplo, somente franzida fixa em trilho suíço, embutido no cortineiro – Foto retirada do site Rosembaum.

 

Fontes

Assim eu gosto

Camila Groff

Casa Abril

Deborah Roig

Donatelli Tecidos

Rosembaum

Toninho Noronha

Trilho Suisso

 

Author Patricia Martino

Arquiteta, Decoradora e autora do blog http://www.pmartino.com/blog/

More posts by Patricia Martino

Join the discussion 9 Comments

Leave a Reply